Login
Nº Sócio
Pin
    
 

Caminhada pelas Fisgas de Ermelo no dia 4 de junho


Fica um pouco longe ir caminhar nas Fisgas, por isso saímos no sábado ainda mal o sol brilhava...


Passámos por Favaios, para sabermos onde "nasce" o dito moscatel, e por ali almoçámos. A refeição foi um pouco Avessada, porque, durante a mesma, uns tocadores de concertina brindaram-nos com algumas modinhas, mas com o copo de inox dependurado no instrumento e com os dizeres: "Tank you", Merci, "Gratias", Obrigado, ou seja, ponham aqui uns trocos, seja lá em que metal for, porque estamos a "dar-vos música" e não há almoços, de música, grátis.

Finda a refeição visitámos a Enoteca onde um guia deu algumas explicações de como era a tarefa de esmagar as uvas, ao compasso do mandante, e depois a vinificação do mosto, ou então fazer deste um moscatel de Favaios.

Concluída a visita partimos para Vila Real, via Pinhão, pois na ida o motorista optara por ir pela via rápida, e não pelo Pinhão, como havia sido indicado no programa. Chegados a Vila Real, e após o jantar, ainda fomos dar uma pequena volta, pedestre, noturna, mas estava um pouco fresco e recolhemos aos aposentos pois no domingo havia que levantar cedo.

Às sete de domingo estávamos a partir de Vila Real. O destino eram as Fisgas de Ermelo, via Lamas de Olo, Cavernelhe e Fojo. Resolvidos uns quantos problemas, com o trajeto que era desconhecido do motorista, lá chegámos a Ermelo. Pelas oito e meia estávamos a iniciar a descida para a Ribeira de Fervença e, dali em diante, foi um longa subida, mas que um amante da caminhada certamente não deixará de apreciar. Os mais aptos, à caminhada, seguiram entusiasmados encosta fora enquanto os menos aptos, iam "marcando passo". A queda de água que dá nome ao local, este ano, por falta de chuva, tem pouco caudal mas ainda assim o suficiente para que os sócios pudessem ficar com uma ideia de como será aquele espetáculo em anos de muita chuva.

Chegados a Varzigueto, iniciou-se o retorno pelo caminho descendente agora pela encosta do Poente e já com bastante calor. Os mais destemidos fizeram um pequeno desvio e não deixaram de ir mergulhar nas frescas águas das Piocas de Baixo dado que as de Cima são de acesso um pouco mais acidentado. Algo cansados, chegámos ao restaurante onde o caldo verde feito com as couves colhidas poucas horas antes foi rei.

Terminada a refeição, partimos para o Monte Farinha que já tiveramos oportunidade de ver, ao longe, quando subíamos a encosta que nos levou às Fisgas. Uma volta rápida pela Senhora da Graça e estávamos no autocarro, para regressarmos rapidamente e com toda a força a casa.

E chegámos a Lisboa um pouco antes da meia noite. Cansados, porque a caminhada foi difícil, mas prontos para novas aventuras.

Clique aqui para ver mais fotos da caminhada.

Publicado em 07/06/2017