Login
Nº Sócio
Pin
    
 

Caminhada em Forcalhos e Sabugal pela "Rota do Contrabando"


Associados percorreram caminhos outrora calcorreados por contrabandistas nos passados dias 27 e 28 de maio


Chegámos a Sortelha já perto do meio dia, porque os quilómetros que dista de Lisboa são bastantes. À nossa espera estava o Sócio Carlos Janela, natural daquela região, bem como um técnico da Câmara Municipal do Sabugal, que nos guiou pela histórica povoação, outrora uma fortaleza de fronteira que, com o Tratado de Alcanizes, perdeu importância defensiva mas de cuja época ainda restam as muralhas.

Subimos a rua que nos levou ao interior de Sortelha. Trepámos às muralhas e contemplámos todo o horizonte visual que dali se tem. Escutámos a história desta antiga sede de concelho e vimos (tendo alguns comprado) os trabalhos que ainda hoje são feitos com Bordejo.

Depois do almoço, ali perto, fomos até ao Sabugal. Não podíamos deixar de subir ao castelo e andar pelas muralhas, quais sentinelas vigiando o inimigo que de Castela poderia vir atacar-nos. Passámos pelo museu e seguimos para Alfaiates.

Nesta simpática povoação, que só os sócios naturais dali conheciam, embora outros já por ali tivessem passado, de carro, sem parar, a nossa guia, que simultaneamente nos hospedou na sua residencial, levou-nos a percorrer toda a povoação para nos mostrar o que há de histórico por lá.

Para além do touro e do forcão, símbolo da capea raiana, muito mais houve para ver de um surpreendente património de que destacamos o antigo Convento de Sacaparte, hoje quase em ruínas. Foi uma surpresa pois não imaginávamos que íamos encontrar tanta e tão diversa monumentalidade histórica.

E com tanto para ver, e caminhar, já o relógio há muito tinha marcado as vinte horas quando chegámos à residencial para pernoitar. O jantar estava marcado para as vinte e uma horas. Foi levantar a chave do quarto, pôr a bagagem e estava na hora da refeição.

No domingo saímos de Alfaiates, agora sob a orientação do Sócio Carlos Ferreira, natural de Forcalhos, que nos quis guiar até às suas origens. À chegada a esta povoação fomos recebidos por membros da junta de freguesia que nos guiaram num percurso pedestre que nos levou até ao marco 613, que divide a pátria lusa do nosso vizinho castelhano.

Mesmo sobre a linha divisória de fronteira uma sócia tombou. Não! Não foi nenhuma seta disparada pelo inimigo de castela. Foi que pôs mal o pé, e deu uma enorme queda, aparentemente sem grandes consequências, mas o susto foi grande.

Uma parte do percurso foi feito em silêncio pois os toiros que ali perto nos fitavam com um olhar de detetive obrigavam-nos a ter cuidado não fosse algum incomodar-se, e, quem sabe, zangar-se com o barulho que provocássemos.

De Alfaiates seguimos para Lageosa da Raia onde um sócio, que trabalha nos Tagus Park, cujos antepassados eram daquela povoação, recuperou a habitação dos seus progenitores. Estando por ali a passar o fim de semana, fez questão de nos abrir as portas, de par em par, e presentear-nos "com uma bebida" o que proporcionou um agradável momento de convívio.

Antes de chegarmos à casa deste sócio, outra surpresa. Uma sócia reformada, que agora passa a maior parte dos seus dias pela raia, foi avisada pela junta de freguesia, que andavam por ali sócios do Clube Millennium bcp. Foi ter connosco, e eis que era conhecida, tendo até trabalhado com vários sócios que compunham o grupo. Foi um bom momento para recordar "velhos tempos". Seguiu-se o almoço e, porque o motorista estava com pressa, findo o mesmo, pusemo-nos a caminho de Lisboa.

E foi mais um fim de semana de desporto, em que se aproveitou a viagem para aliar também um pouco de cultura, visitando o que de melhor havia do património local e proporcionar aos sócios bons momentos de convívio.

Um justo obrigado aos Sócios Carlos Janela e Carlos Ferreira, pelo empenho com que organizaram estes percursos por terras raianas. E, como as fotos documentam, em Forcalhos deixámos um galhardete do Clube, a recordar a nossa estada naquela povoação e que os responsáveis da associação fizeram questão de colocar no símbolo máximo das tradições daquele povo "o Forcão".

Clique aqui para aceder a mais fotos.

Publicado em 01/06/2017